Segunda-feira, 14 de Abril de 2008
Personalidades (continuação)

António Fernandes da Fonseca (Médico e professor universitário)

António Fernandes da Fonseca nasceu na freguesia de Gondar a 4 de Agosto de 1921.

Licencia - se em Medicina na Faculdade de Ciências e no último ano do curso decide estagiar voluntariamente nos Serviços de Neurologia do Hospital de Santo António e do Hospital Escolar de Lisboa.

Devida a uma bolsa de estudo que lhe foi concedida pela Faculdade de Medicina para ocupar o cargo de Assistente, em 1955 vai para Londres. Em Londres estagia nos Serviços de Psiquiatria e Psicologia do Hospital de St. Thomas e de Genética Psiquiátrica do Instituto de Psiquiatria da Universidade de Londres. Quando regressa a Portugal é - lhe concedido o grau de doutor em Medicina pela Universidade do Porto tendo ficado com o cargo de regência da cadeira de Psiquiatria.

 Durante a sua vida profissional desempenhou cargos, como por exemplo, criador do Departamento de Psiquiatria e saúde Mental do Hospital de São João, presidente da Sociedade Portuguesa de Psiquiatria, da Associação Europeia de Psiquiatria Social, e membro da Real Academia de Medicina de Madrid e “Fellow” da Academia de Medicina e Psiquiatria de Nova Iorque.

António Fernandes da Fonseca foi também autor de mais de 200 trabalhos e de sete livros sobre temas de Psiquiatria, Psicologia, Sociologia e Saúde Mental.

.............................................................................................................

 

Carlos Babo (Advogado e escritor)

Carlos Cândido dos Santos Babo nasceu na freguesia de Figueiró no concelho de Amarante, a 4 de Setembro de 1882.

Frequentou a Faculdade de Direito, em Coimbra, em 1898 e acabou a formatura em 1904.

A 6 de Outubro aceitou o cargo de chefe de Gabinete no Ministério do Interior que acumulava com o da Instrução. Intervêm na Repartição Pedagógica da Instrução Primária e foi Secretário-geral do Ministério da Instrução que foi iniciado em 1913. 

Contudo escreveu centenas de crónicas e artigos em jornais que foram silenciados pelo salazarismo, como por exemplo, “Alma Nova”, “Republica”, “Pátria”, “Liberdade”, “Humanidade”,”Diário de Lisboa”,”Primeiro de Janeiro”, “Montanha”, “O Clarim”, “Voz da justiça”,”Figueirense”, e o “O Raio”.

Carlos Babo era um trabalhador incansável, que passava horas e horas no seu escritório a escrever.

O espolio de Carlos Babo constituído por livros, manuscritos e correspondência trocada com Teixeira de Pascoaes e Raul Brandão.

.........................................................................................................

Ilídio Sardoeira (Poeta, escritor e conferencista)

Ilídio Ribeiro Covelo Sardoeira notabilizou -se como poeta, escritor e conferencista e nasceu na freguesia de Canadelo em 12 de Novembro de 1915. Licenciou - se em Ciências Biológicas e dedicou -se ao ensino. Mais tarde foi director da “Voz do Marão” e “Alma Nova” e colaborador em muitas publicações como revistas, entre as quais destacam - se “Vértice”, “Seara Nova”,”Labor”, “Lusíada” e “Átomo”.

De entre muitos escritos que publicou destacamos, aleatoriamente:

·              “A minha Aldeia”

·              “Pascoaes - um poeta de sempre”

·              “Provas”

·              “História do sangue”

·                    “Influências do Principio da Incerteza no Pensamento de Pascoaes  

 

 

.............................................................................................................................  

                             Lago Cerqueira (Político)

António Joaquim Machado Pereira do Lago Cerqueira nasceu na Casa da Calçada, na freguesia de Cepelos, a 11 de Outubro de 1880 morreu nessa mesma casa no dia 28 de Outubro de 1945.

Formou - se em Filosofia pela Universidade de Coimbra. Quando foi proclamada a república foi uma das personalidades que se distinguiu no Partido Democrático que na altura era dirigido por Dr. Afonso Costa. António do Lago Cerqueira foi também durante vários anos Presidente Câmara Municipal de Amarante, deputado e Ministro dos Negócios Estrangeiros e do Trabalho.

Por motivos políticos teve de sair de Portugal e dirigiu – se para Paris e frequentou o curso de viticultura e vinificação no Institut

National Agronomique onde fez várias conferências

Lago Cerqueira foi o fundador das Caves da Calçada e por isso em parte foi responsável pela divulgação dos vinhos de Amarante.

Em 1929, Lago Cerqueira foi também autor da conferência “Les vins du Portugal – Le vin de Porto” no Laboratório de Viticultura do “Institut National Agronomique”.

Em Amarante tem uma avenida com o seu nome e um busto em bronze da autoria de Acácio Lino.

..................................................................................................................................

Manuel Monterroso (Médico e caricaturista)

Manuel Aníbal da Costa Monterroso nasceu na freguesia da Lomba no ano de 1876.Desde a sua infância que Manuel Monterroso revelava uma excepcional vocação para o desenho. O talento que tinha foi desenvolvido e aperfeiçoado ao longo da sua vida sem nunca recorrer a mestres e frequência académica.

 

Os seus estudos foram acabados no Porto em 1902 na antiga Escola Médico - cirúrgica , onde frequentou o curso de Medicina. Contudo foi na altura de estudante que colaborou na “A Paródia” de Rafael Bordallo com quem manteve uma relação de amizade.

Devido ao seu intenso trabalho resultaram obras como, Tauromaquia Alegre, de Guedes Oliveira, em 1912; Último Curso do Dr. Lebre, de Ângelo Vaz, em 1951; e mais tarde em 1900 de Arnaldo Leite.

Entre 1944-45 realizou várias exposições conjuntas com Alfredo de Morais e Francisco Valença na Sociedade de Belas Artes, no Salão Silva Porto e no Salão de Festas do Coliseu.

Em relação ao seu percurso médico, este teve ligado ao desempenho de cargos oficiais. Por isso foi durante 40 anos, Delegado de Saúde do Porto; médico - legista dos tribunais da cidade invicta e médico - especialista da Direcção dos Caminhos de Ferro e do Estado, assim como da Assistência Nacional dos Tuberculosos. Foi também professor de Anatomia Artística na Escola de Belas Artes do Porto.

Em reconhecimento pelo seu trabalho recebeu o título de cavaleiro da Ordem de S. Tiago de Espanha, com a Medalha da Cruz Vermelha e do Instituto de Socorros a Náufragos.

No Museu de Amadeo de Souza - Cardoso foi fundada a 4 de Junho de 1954 uma sala com o seu nome. A sala tem obras com retratos a óleo do caricaturista, da autoria do pintor João Augusto Ribeiro e com desenhos de várias figuras de Amarante como por exemplo, Teixeira de Pascoaes, António Cândido, Acácio Lino, Augusto Casimiro.

...............................................................................................................

Paulino António Cabral (Poeta)

Paulino António Cabral mais conhecido como Abade de Jazente, nasceu na Quinta do Reguengo, na freguesia de S. Pedro da Lomba, a 6 de Maio de 1720. Abade de Jazente notabilizou - se pela sua poesia sarcástica, crítica da sociedade da época em que viveu.

Em 17 de Junho de 1741 licenciou - se em cânones na Universidade de Coimbra. Em 1752, foi nomeado abade da freguesia de Jazente, onde viveu durante 30 anos e por isso assim ficou conhecido como Abade de Jazente. Contudo morreu em 20 de Novembro de 1789 e foi sepultado na igreja de S. Pedro no concelho de Amarante.

Dos seus escritos podemos destacar:

  • 1760 - “Romance hendecassylabo sobre o Terramoto fatal da cidade de Lisboa sucedido no primeiro de Novembro de 1755”.
  • 1786 - “Poesias de Paulino Cabral de Vasconcelos - Abade de Jazente”

Alguns dos sonetos do Abade de Jazente são documentos interessantes para a história de Amarante devido à derrocada da ponte medieval, em 10 de Fevereiro de 1763.

............................................................................................................

 Nunes Ferreira (poeta)

 

Manuel Nunes Ferreira nasceu na freguesia de Fridão, no concelho de Amarante no dia 15 de Novembro de 1913. Faleceu no Gerês no dia 21 de Julho de 1971.

A produção literária baseou - se na colaboração nos jornais regionais Flor do Tâmega (Amarante) e Maria da Fonte (Póvoa do Lanhoso).
..................................................................................
Amadeo de Souza Cardoso (pintor)
Amadeo de Souza-Cardoso nasceu a 14 de Novembro, em Manhufe, na freguesia de Mancelos. Finalizou os estudos liceais em Coimbra, em 1905, com 18 anos. A sua opção para seguir era arquitectura na Escola de Belas Artes de Lisboa.
As vivências, na altura, na capital desmotivaram e Amadeo vai para Paris com um jovem pintor seu amigo, Francisco Smith. Instalou - se em Montparnasse onde contactou com vários pintores portugueses aí radicados. Durante alguns meses frequenta no Boulevard Raspait os ateliers preparatórios para a frequência de arquitectura. Contudo depois de um período de alguma incerteza desinteressa -se pelo curso e passa dedicar – se à caricatura.
Em 1909 frequenta a Academia Viti onde é aluno do pintor espanhol Anglada Camarasa. Por isso torna - se num ano decisivo na sua vida pois segundo alguns críticos ele nasce efectivamente para a pintura. No entanto, em 1909 conhece
um pintor italiano de nascimento chamado Amadeo que viria a ser grande amigo e pintor extraordinário, Amadeo Modigliani. Em 1910, passa três meses em Bruxelas, onde é seduzido pela pintura dos primitivos flamengos.
Nos anos seguintes foram tempos de intenso de trabalho e de pesquisa permanente, onde expõe um pouco por todo o mundo.
Quando regressa a Portugal em 1914, casa na cidade do Porto com Lúcia Pecetto que tinha conhecido em Paris. Já em Manhufe dedica -se a pintar todos os dias. Em 1916 expõe pela primeira vez em Portugal, no Salão de Festas do Jardim de Passos Manuel, no Porto, onde apresentou 114 obras com o título de “Abstraccionismo”. Contudo a exposição foi um escândalo para o Porto tradicional e burguês e então Amadeo foi mesmo agredido.
 No final desse mesmo ano, Amadeo de Souza - Cardoso repete nas Salas da Liga Naval, em Lisboa a exposição da cidade do Porto que foi igualmente considerada um escândalo.
Porém em 1916 publica o álbum “12 Reproductions”.
No entanto, o seu trabalho nunca foi reconhecido nessa época, e Amadeo de Souza – Cardoso morre inesperadamente a 25 de Outubro de 1918 em Espinho, vítima da gripe espanhola.
Contudo, hoje em dia é uma referência incontornável da arte moderna. E por isso Amarante dedicou - lhe o seu museu municipal, onde as obras do pintor estão representadas.
.....................................................................................
 

 



publicado por turismoamarante às 12:10
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
27
28
29
30
31


posts recentes

www.amaranteturismo.no.sa...

O produto final

Sessão pública sobre a ba...

Anúncio da Mazda feito em...

A construção da barragem ...

Personalidades (continuaç...

Câmara Municipal de Amara...

Gastronomia

Posto de turismo

Personalidades desportiva...

arquivos

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

contador
Dubai real estate and Dubai property advice
Dubai Property
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds